Pandora The World of Avatar – Disney World 2017
mayo 29, 2017
Show all

Investimento brasileiro em imóveis no exterior cresce 240%

Investir em imóveis no exterior está virando uma prática cada vez mais comum. De acordo com a pesquisa Capitais Brasileiros no Exterior (CBE), realizada pelo Banco Central entre 2007 e 2017, os investimentos feitos neste setor subiram 240%, passando de US$ 1,8 bilhão para US$ 6,3 bilhões no período de 10 anos.

De acordo com a pesquisa, 33% desse investimento foi feito nos Estados Unidos, correspondendo ao montante de US$ 2,1 bilhões. O principal destino no país é Orlando, indicado como o melhor lugar para fazer investimentos imobiliários nos EUA. Apenas em 2017, ano final da pesquisa, o valor das casas na cidade subiu 9%, sendo que a estimativa para os próximos três anos é de um aumento de 35% no preço.

A cidade mais brasileira dos Estados Unidos faz jus à fama. De acordo com a Orra (Associação de Corretores Regional de Orlando), entre 2017 e 2018, o crescimento médio de imóveis na cidade foi de 5,7%, com valores passando de US$ 220 mil para US$ 232,5 mil.

“Os motivos que levam os brasileiros a investir em casas no estado da Flórida, principalmente na cidade de Orlando, são muito simples: a valorização do imóvel e a possibilidade de locação, que também está em ascensão, tanto para brasileiros quanto para pessoas de outras nacionalidades que visitam a cidade”, explica o fundador e CEO da assessoria imobiliária internacional InvestorSInc, Leandro Teles.

De acordo com Teles, é possível entender como os investidores se beneficiaram com o aporte em imóveis, sobretudo em Orlando. “O preço médio de um imóvel na cidade cresce há 91 meses consecutivos, de acordo com a Orra. Em média, um investimento feito em julho de 2011 teria se valorizado 96% em 2019”, confirma.

Locação temporária

Para os investidores na região, a locação temporária é uma ótima opção para conseguir renda extra. De janeiro a setembro de 2018, 95,8 milhões de pessoas visitaram a Flórida, um aumento de 6,7% em relação ao mesmo período de 2017.

“Grande parte dessas pessoas procura uma estadia mais barata e que ofereça mais conforto e qualidade do que um quarto de hotel. Assim, os donos de casas de férias aproveitam esse contexto para viabilizar o seu imóvel”, completa Teles.